ADAPTAÇÃO DE PAIS E FILHOS AOS PRIMEIROS DIAS DE AULA.



Uma prática de nossa escola é buscar a parceira das famílias para uma melhor formação dos educandos. Segue abaixo o primeiro informativo do ano.

ADAPTAÇÃO DE PAIS E FILHOS AOS PRIMEIROS DIAS DE AULA.

É com muita alegria que o Castelinho Bonfim apresenta Orientações sobre Adaptação na Educação Infantil. Entendemos o quanto essa fase na vida da criança e dos pais tem um significado especial.

O período de adaptação é uma fase de transição que representa muito mais que o simples ingresso da criança na vida escolar, representa um mundo de emoções, de cuidados, de expectativas e descobertas. Todos esses sentimentos podem ser vividos pela criança e pelos pais de forma intensa. Pensando nisso, elaboramos este roteiro. Nele encontram-se informações úteis, além de dicas importantes sobre as fases de desenvolvimento e sobre o processo de adaptação. Pensamos em ficar mais pertinho de vocês, responsáveis e crianças, nesse momento que também é especial para nós.

A partir de hoje, estamos construindo um laço de confiança. Acreditamos que esse laço será fortalecido com a parceria feita entre família e escola, olhando sempre para o desenvolvimento saudável e feliz de seus filhos, nossos pequenos alunos, que começam a construir suas grandes histórias de vida, de relação e de aprendizado aqui conosco.

O primeiro dia de aula é um momento de muitas expectativas. Na Educação Infantil passamos pelo período da adaptação, que para algumas crianças não gera tanta ansiedade, diferente de outras, que manifestam certa insegurança diante do novo. O período da adaptação deve ser vivenciado de forma leve e espontânea, porém com muito cuidado e atenção, pois cada criança possui um ritmo e necessidades diferentes.

É um momento onde os vínculos familiares da criança vão sofrer uma “quebra”, pois o tempo de convívio com os parentes irá ser dividido com outras pessoas, em um novo ambiente. Essa “quebra” faz-se necessária para a criança por ser estruturante, permitindo a individualização e outros processos como autonomia, segurança e independência, bem como a criação e o fortalecimento de vínculos afetivos.

A adaptação pode ser um momento difícil também para os pais, que sofrem igualmente com essa ruptura, necessitando da mesma forma de atenção e orientação. Por isso é tão importante à parceria constante entre família e escola, para que os pais possam depositar confiança nesse novo espaço e nos profissionais que estarão à frente dos cuidados e da educação de seus filhos.

Dessa forma, autorizam a instituição escolar a exercer essa função, facilitando o processo de adaptação. A criança percebe quando os pais estão ansiosos ou inseguros, portanto, procure passar confiança para seus filhos, demonstrando que a escola é um lugar seguro onde eles passarão determinado tempo e que depois haverá o reencontro com a família. Por isso, o diálogo constante, a segurança e o estabelecimento de uma rotina para a criança é essencial nesse processo.

10 Dicas que vão ajudar na adaptação de seu filho:

  1. A vinda da criança para a escola deve ser preparada pelos pais ou responsáveis através de conversa sobre o que ela encontrará no ambiente escolar. Cuidado para não criar expectativas demais ou antecipar comportamentos negativos. Evite dizer: “não chore no primeiro dia”, “não vá ficar com medo da professora”;
  2. Nos primeiros dias, é fundamental que alguém que represente uma figura de confiança para a criança permaneça com ela na escola (pai, mãe, avó, babá, etc);
  3. O tempo de duração do período de adaptação depende de cada criança. É preciso respeitá-lo;
  4. Siga as orientações da professora e/ou da equipe pedagógica em relação à sua participação nas atividades e, aos poucos, incentive a criança a solicitar ajuda quando necessitar de algo, como beber água, ir ao banheiro, pegar lanches, etc;
  5. É fundamental que os pais evitem ao máximo que a criança falte nessa fase. Um grande número de faltas prejudica o estabelecimento do vínculo da criança com a escola. A criança precisa ter rotina e constância de lugares e pessoas no seu dia a dia, para que consiga se organizar internamente e sentir-se segura;
  6. O choro na hora de se separar dos pais acontece com frequência e nem sempre significa que a criança não queira ficar na escola. Ela pode estar apenas querendo mostrar que gosta dos pais e que sentirá falta deles. Da mesma forma, o fato da criança não chorar não significa que ela não sinta falta dos pais. Nesses momentos, também pode ser difícil para os pais se separarem da criança, pois ficam preocupados de deixarem o filho. Explique que logo vocês se reencontrarão, passando essa segurança para ele. Com o tempo, essa fase do choro vai acabar;
  7. Evite demonstrar ansiedade ou impaciência ao trazer a criança para a escola, especialmente neste período;
  8. Cabe à família transmitir segurança ao seu filho, incentivando-o a entrar na escola caminhando, evitando colocá-lo no braço e não deixando para o professor a função de retirar a criança do colo do responsável;
  9. Evite sair escondido do seu filho. Se despeça de forma natural. Mesmo que ele chore, é sempre melhor dizer a verdade do que tentar enganá-lo, pois a confiança é a base para uma boa adaptação;
  10. A “angústia de separação” é um processo natural, que inevitavelmente acontece. Conte com os profissionais e serviço de orientação da escola para dividir alguns questionamentos.

Colocamo-nos à disposição para mais orientações e desejamos boas-vindas à Família BONFIM.


Acesso Rápido



Vídeos





Administrar